domingo, 2 de abril de 2017

A DECADÊNCIA DA FIGUEIRA DA FOZ
















A Figueira como destino turístico, de veraneio hoteleiro ou de 2.ª habitação, está moribunda há muito tempo. Para férias de praia, os destinos do sul português ou espanhol ENTRE OUTROS, satisfazem mais veraneantes e turistas por tanto ou menos dinheiro do que pagariam em destinos como a Figueira. Assim, torna-se necessário identificar uma verdadeira vocação estratégica para a cidade e tudo à volta. O marasmo sempre mortificou os figueirenses projectando visões sebastiânicas de salvadores e soluções vindas de fora. Pelo vistos tal não tem acontecido, nem de fora nem de dentro, excepção (mal)feita ao sector da construção, que transformou o burgo numa cidade fantasma, com um edificado numa escala desregrada muito superior a qualquer veleidade de procura, quer para habitação permanente quer para 2.ª habitação. Oxalá os poderes públicos e/ou o empreendedorismo privado avancem para "clusters" de novos negócios/nova economia, que implique a vinda de novos habitantes, e assim se possa salvar a Praia da Claridade de uma decadência e descaracterização dramáticas, com reflexos irreversíveis no seu potencial de actratividade.